Pobres mortais ou deuses da história?

Imagine uma pessoa que sempre DECOROU história, filosofia e geografia para fazer as provas na escola? Prazer! Meu nome é Carol e eu não sabia que se parasse para entender gostaria tanto desse blá blá blá sem fim. Juro que não passei por eletrochoque ou tive uma visão do futuro mas assim sem mais sem menos passei a me interessar sobre o que essas matérias diziam e acreditem ou não é tudo igual, só mudam os personagens já que todo mundo sente desejo, todo lugar tem seu canto sagrado, todo povoado tem seu guru, seu curandeiro... Desde que o mundo é mundo as pessoas amam, odeiam, matam, traem, ensinam, aprendem, tem seus dias bons e seus dias pra lá de ruins ou você acredita mesmo que os grandes nomes da nossa história sofreram isenção de sentimentos? Quer exemplos? Vamos lá... Hittler teve muita raiva, Eisnten já se decepcionou, Jesus Cristo minha gente amou e teve seus dias pra lá de ruins... Então qual é a diferença entre nós pobres mortais e os nomes que fizeram a história do mundo? Eu te digo com toda minha pouca sabedoria que nós assumimos nossa posição de pobres mortais e vivemos isso até o fim de nossas vidas. Pobres mortais filosofam sobre a vida alheia, isso também é conhecido como fofoca. Pobres mortais se movimentam de acordo com a necessidade de seu próprio umbigo ou será que você daria um filho seu para salvar o mundo? Pobres mortais sentem raiva mas não aprenderam a exteriorizar e mais, pobres mortais morrem de preguiça, caso contrário estaríamos dormindo e acordando pensando em algo em prol da humanidade. Nós também mentimos quando é necessário e não me diga que isso é coisa da minha cabeça pois se falássemos somente a realidade de nossos pensamentos seríamos no mínimo apedrejados em praças públicas. Quer mais exemplos? Duvido que você olhe para alguém na rua que nunca viu e diga a essa pessoa o quanto ela é feia. Você pode até pensar isso mas foi adestrada desde a mais tenra idade que não se deve falar o que pensa, contudo variamos entre mentir e omitir pensamentos. Pobres mortais valorizam demais os defeitos e pecados dos outros e tendem a não enxergar através do seu telhado. A gente até se sacrifica para ter uma vida melhor, para dar o melhor a quem amamos mas duvido que você se sacrificaria somente em favor de pessoas que você nem sabe de onde saiu. Caridade? De vez em quando é bom e nós pobres mortais aprendemos a fazer isso, pelo menos nossa vida não será tão em vão... e brigamos, sim brigamos pelo que é nosso, pela nossa cria e citando novamente tudo em prol do nosso próprio umbigo. Existem os santos, existem os grandes nomes da história mas eu particularmente não conheci pessoalmente nenhum, talvez porque meu nível enérgico esteja muito abaixo da santidade e dos seres mais importantes mas não vou me importar com isso já que você pode me consolar dizendo que também não conhece nenhum. Então, prazer em conhecer você meu pobre mortal, somos do mesmo mundo e estou aqui me pergutando se verdadeiramente gostaria de ser do mundo mais elevado. Hum... Definitivamente não, estou bem assim sem pensar na cruz e minhas noites de sono são mais importantes que os problemas do universo. Além do mais sozinha eu não conseguiria mudar nada. Meu umbigo vai bem, faço caridade de vez em quando e pra falar sério jamais deixaria de pensar na minha prole. Talvez isso vai soar estranho pra você mas no final das contas é bom ser um pobre mortal, podemos não nos vangloriar de grandes coisas mas também não teremos a responsabilidade das coisas mais horríveis do mundo. Deixa eu aqui com meus defeitinhos...
Carol Soreli

OBS: Vocês que me acompanham sabe que adoro escrever, pensar, falar o que penso e viajar na maionese de vez em quando kkk, além do scrap é na escrita que me realizo mas sei q vcs me aguentam kkk :)
Bjus da Carol

2 comentários:

Karla M.S Lenzi (Ká Lenzi) disse...

Vc é mais que uma pobre mortal..acredite!!!
Mas assim, como eu...vc é mortal..infelizemnte!!!
Te amo!!

Cris Oliveira disse...

Carol... tu é demais. Ler nas entrelinhas é tudo! Escrever tão sabiamente e tão facilmente não é para todos.. parabens! Adorei o texto pra lá de filosófico! ;)
beijokas
Cris