Projeto Clarice # 2


Decifrando o Início

"Houve um período em que cada coisa tinha seu lugar, cada época era uma rotina, fazia as coisas da mesma forma do início ao fim. Formou-se uma mecânica dentro de mim e peças encaixadas costumam ficar sem graça. Sem querer meu mundo quebrou, não sei ao certo se eu mesma quebrei ou se em algum momento me ajudaram a quebrar, o que posso dizer com toda certeza é que com este mundo quebrado nasceu o caos. Somente quando nasceu o caos que entendi que funcionava de forma mecânica, foi com o caos que aprendi também a refletir. Peguei toda essa bagunça, enfiei em uma caixa e sentei no chão para organizar, mas já era tarde demais. Fim do mundo? Nãooooo! Foi quando eu acreditei que era tarde demais que aprendi a pegar pequenos fragmentos desse caos e transformá-los naquilo que eu queria. Aprendi a criar com as mãos aquilo que eu gostaria de ver refletido no mundo, na vida e nas pessoas talvez. Nunca mais parei de criar, preciso desses fragmentos até porque lidar com o caos todo, de uma vez só, pode enlouquecer, mas se for pegando de mansinho o caos se transforma e a cabeça nunca mais funciona igual. Quando necessário eu faço novo caos, sem ele minha cabeça funciona de forma bitolada, não cria alternativas, nem mesmo transforma os dias em oportunidades e experiências. Sem dúvida nenhuma preciso do caos para criar!." Carol Soreli

Acima coloquei um trecho que está guardado em algum caderninho por aqui, nele eu falo como eu funciono para criar. Quando comecei o projeto Clarice eu fiz um caos e a partir do caos comecei o álbum. Você já parou para pensar sobre como funciona para criar? Que tipo de ambiente gosta de estar? Se curte escutar música enquanto cria? Saber como funcionamos é muito importante pois ajuda a reconhecer o que ajuda e o que atrapalha no processo criativo, saber como funcionamos nos ajuda na vida, na rotina, nas escolhas que fazemos. Fica a dica de hoje, pense sobre como você funciona e me conta?

Primeira página, referente a página 21 do livro da Clarice Lispector, Aprendendo a Viver.
 Para começar este mini, eu separei várias folhas de scrapbooking com face única. Como base, utilizei papel vergê pérola com gramatura 180 no tamanho 17 x 15,5 cm. O papel decorado foi aplicado por cima do papel vergê e mede aproximadamente 15 x 15 cm. A sobra de 1 cm que fica na lateral foi deixada de propósito, pois é neste pequeno espaço que eu furei a página para passar a argola. 
O livro que eu escolhi tem mais de cem páginas e eu não poderia fazer um mini-álbum com esta quantidade de páginas, até mesmo pelo tempo que levaria para terminar algo assim. Este livro é composto basicamente por fotos da Clarice e trechos de sua obra, eu separei alguns trechos que tinham mais a ver comigo e comecei a criar. Em cada página criada, você vai observar uma numeração, este número se refere à página do livro que me inspirou. A técnica que eu quis aprimorar foi a costura no papel. Eu sempre fiz as costurinhas na mão mesmo, mas acabei ganhando uma máquina de costura e foi um desafio começar a brincar nela. Eu apliquei uma fita dupla face entre o papel vergê e o papel decorado apenas para o papel não sair do lugar quando colocasse na máquina de costura. Feito isso, eu costurei toda a volta do papel decorado.
A imperfeição na costura faz parte do aprendizado, a perfeição mesmo só acontece com o treino da técnica. Raras as vezes pensei ser impossível fazer algo e antes mesmo de desistir, eu tento fazer uma, duas, três e se for o caso até um milhão de vezes. Uma hora a coisa anda da forma que imaginei.
A frase que escolhi foi: "Você de repente não estranha de ser você? Escolhi esta para começar porque passei por muitas mudanças até aqui e ainda irei passar por outras tantas, vivo em um processo de aprendizado contínuo e as vezes eu estranho sim! Estranho não só a forma que me comporto, meu corpo não é mais o mesmo, meu cabelo eu quase não reconheço mais, meu bebê ficou grande e a velocidade dessas mudanças me assustam! Tipo aquela música "Eu não vou me adaptar".
Escolhi uma foto minha que curto demais, recortei em forma de círculo e cortei um círculo maior para colocar embaixo da foto. Desgastei as bordas dos círculos e da página também, em seguida passei carimbeira com o auxílio de uma esponjinha para dar um efeito meio envelhecido. A gaiola é clássica né? Mas tem tudo a ver com Clarice Lispector, comigo... esse corpo é uma prisão para o meu espírito livre... Apliquei corações para simbolizar todos os sentimentos que vai no coração. Esse cachorrinho é de um kit digital que não me recordo agora :(.
O resultado da primeira página do meu álbum ficou assim. Este layout não tem muito segredo não, basicamente é costura que pode ser feito na mão mesmo, o desgaste do papel 15 x 15 cm com lixa e desgaste com estilete nos círculos, o famoso distress. Espero que gostem! A próxima postagem será no dia 11/01/2012. Para colocar suas imagens use o link abaixo que logo passo lá para ver como está ficando. Beijos da Carol.

8 comentários:

Paula Moura disse...

Não me vejo com cacife para começar um projeto como esse, mas se já admirava o seu trabalho, agora virei sua fã de vez! kkkkkk
Vou acompanhar até o fim. Beijos e obrigada. Aprenderei muito!

Ari Meu Cantinho do Eva disse...

Adoreiiiii!!!! seu projeto, parabéns.
Amei o texto, aprendir a criar por causa do caos e é dele ainda que aprendir e estou aprendendo muitas coisas na vida.
Bjs,fique com Deus e bom fim de semana.

Edileusa disse...

Maravilhoso, adorei!
Esse projeto promete, acompanharei tudo atentamente.
Bjs e sucesso.

Gildett de Marillac disse...

Sempre gostei do seu texto, acho ele rico... Vou te acompanhar nesta viagem de emoção...

Papeluxo Scrapbooking disse...

Querida Carol, ando distraída, não percebi que o projeto seria feito aos poucos, então, ansiosa como sou, já pensei numa conclusão das palavras simples e ricas, de minha autora escolhida, e já fiz umas 4 páginas, mas vou acompanhar vc e vou tentar acrescentar nas mesmas datas. Espero conseguir.
Parabéns, pelo texto, adoro ler o que escreve, sinto que tem emoção, feito de coração, e a ideia do número, achei muito boa, mas não sei se consigo fazer assim. Quando sento e começo a criar, normalmente sozinha, madrugada, busco concluir a junção de várias ideias, vou testando, olhando, e já começo pela ideia inicial e vou dando continuidade. Nada fica solto pra ver como ficaria. Simplesmente já está. Não dá pra mudar o que faço, só rasgando tudo e começando de novo. Vou me achar louca! e chata! veja o quanto escrevi. Beijão, vou jogar "The Sims".

Gildett de Marillac disse...

Carol, vou te seguir fazendo o meu com um livro de Cecília Meirelles, o desafio tem prazo? É um ano? Acho interessante desafio com prazo, terminei o de 52 semanas de Flávia Terzi e adorei fazer. Bjs

Paula disse...

Lindoooo!!!Adorei os detalhes!!!...beijos

luciana sanches disse...

estou separando tudo pra fazer também! amei a idéia!!!!!!!!!!
bjos